quarta-feira, 11 de junho de 2008

Chaves


O seriado Chaves estreou em 1971, na TV Tim, no México, e contava com poucos personagens. Estes ainda não tinham características bem definidas e suas personalidades não eram tão fortes.

A história gira em torno de um garoto órfão, que é tratado pelo nome de Chavo, que significa “garoto, moleque” em espanhol. No seriado, nunca foi revelado o seu verdadeiro nome. Ele mora numa vila e é nela que se desenrolam as ações da série. Seus melhores amigos são: Frederico (Quico), filho de Dona Florinda, uma viúva ranzinza, vinda de uma família de elite hoje em decadência, mas que ainda tenta manter a pose e o status que lhe resta; e Francisquinha (Chiquinha), órfã de mãe, que faleceu logo após o parto. Ao longo de mais de uma década, o seriado sofreu modificações, tanto físicas (cenário, figurino) quanto psicológicas. Os personagens foram tomando personalidades distintas, diferenciando-se uns dos outros, e novos personagens foram surgindo.

Havia ainda muitos personagens secundários, que apareciam de vez em quando, como Paty, Pópis, Nhonho, além de personagens com aparição única como Glória, Malicha e Seu Madroga, que supriam a ausência de algum dos atores principais.

Com a saída de Carlos Villagrán, em 1979, e Ramón Valdés também em 1979, para se dedicarem a outros programas, novos personagens foram ocupando esses lugares. Para substituir Quico, deram mais espaço para o filho do Sr. Barriga, que se chamava Nhonho (em espanhol, se chama Ñoño, que significa bobo, tonto), e uma avó para Chiquinha, que se chamava Dona Neves (Neves era o sobrenome da atriz que fazia os dois personagens, Maria Antonieta de las Nieves). Outro personagem introduzido posteriormente foi o carteiro Jaiminho, interpretado por Raul “Chato” Padilla. A série começou, então, a se desenrolar entre dois cenários: a vila e o restaurante da Dona Florinda.

Um comentário:

No céu é sempre domingo disse...

Aiiiii, adorava chaves! E o óculos do chaves hehehe.

Qnto ao seu comentário sobre os tubarões lá no céu, tb acho um absurdo o que aconteceu, não só com os tubarões, mas o descaso ambiental que temos em todo Brasil. E natureza é sim vingadora.
Infelizmente, Lily, hj mais uma notícia de mais um ataque, em Olinda agora. Insistem em surfar, insistem em entrar no mar, infelizmente mais um garoto em risco. Essa insistência é o que eu combato também, eu adoro praia, adoro surfe, acho praia um dos lazeres mais baratos pra família, mas só piso nas águas de áreas de risco até cobrir meu tornozelo. Infelizmente o problema não tem solução, a única coisa que podemos fazer é evitar.
Bjão pra ti, adorei saber do nome carinhoso do tuba, o chico. Tubarão existe aqui e em todos os lugares, mas o desequilibro aqui aiaiai rsrsrsrs. Evolução econômica e danos ambientais.Q droga, isso era pra ser = evolução economica e investimentos ambientais. ;)